STF, CIÊNCIA: BLOQUEIO FOI UMA PERDA DE TEMPO E PODERIA MATAR MAIS DO QUE ECONOMIZOU

POR SARA SCARLETT PARA O MAILONLINE - UK

+Professor Michael Levitt ganhou o prêmio Nobel de química em 2013

+Sugeriu que a decisão de manter as pessoas dentro de casa foi motivada por 'pânico'

+O professor Levitt também disse que a modelagem de Neil Ferguson superestimou as mortes


O bloqueio do coronavírus poderia ter causado mais mortes do que ele salvou, afirmou um cientista laureado com o Nobel.


Michael Levitt, um professor da Universidade de Stanford que previu corretamente a escala inicial da pandemia, sugeriu que a decisão de manter as pessoas dentro de casa era motivada pelo "pânico" e não pela melhor ciência.


O professor Levitt também disse que a modelagem que levou o governo a travar o bloqueio - realizado pelo professor Neil Ferguson - superestimou o número de mortos em "10 ou 12 vezes".


Suas reivindicações ecoam as de um relatório do JP Morgan que disse que os bloqueios falharam em alterar o curso da pandemia, mas "destruíram milhões de meios de subsistência".


O autor Marko Kolanovic, físico treinado e estrategista do JP Morgan, disse que os governos foram assustados por "artigos científicos falhos" para impor bloqueios "ineficientes ou atrasados" e com pouco efeito.


Ele disse que a queda nas taxas de infecção desde que os bloqueios foram suspensos sugere que o vírus "provavelmente tem sua própria dinâmica", que não está relacionada a medidas de bloqueio frequentemente inconsistentes.


A Dinamarca está entre os países que viram sua taxa de R continuar caindo após a reabertura de escolas e shoppings, enquanto a taxa da Alemanha permaneceu abaixo de 1,0 após a redução do bloqueio.


Este gráfico publicado em um relatório do JP Morgan mostra que muitos países viram suas taxas de infecção caírem em vez de aumentar novamente quando terminaram seus bloqueios - sugerindo que o vírus pode ter sua própria 'dinâmica', que não é relacionada às medidas de emergência

Um segundo gráfico mostra um efeito semelhante nos EUA, mostrando que muitos estados apresentaram uma taxa mais baixa de transmissão (R) após o encerramento dos bloqueios em larga escala.


O professor Levitt disse ao The Telegraph: 'Acho que o bloqueio não salvou vidas. Eu acho que pode ter custado vidas. Ele salvou algumas vidas de acidentes de trânsito, coisas assim, mas os danos sociais - abuso doméstico, divórcios, alcoolismo - foram extremos.


"E então você tem aqueles que não foram tratados por outras condições."


O professor Levitt, que ganhou o Prêmio Nobel de Química em 2013 pelo 'desenvolvimento de modelos em várias escalas para sistemas químicos complexos', afirmou há dois meses que a maioria dos especialistas em previsões sobre o coronavírus está errada.


Ele também acredita que o governo deveria incentivar os britânicos a usar máscaras e encontrar outras maneiras de continuar trabalhando enquanto se distanciava socialmente.


A modelagem do professor Ferguson, por outro lado, estimou que até 500.000 mortes ocorreriam sem medidas de distanciamento social.


O professor Levitt acrescentou: 'Por razões que não estavam claras para mim, acho que os líderes entraram em pânico e as pessoas entraram em pânico. Houve uma enorme falta de discussão.


O vencedor do prêmio Nobel de 73 anos não é um epidemiologista, mas avaliou o surto na China no início da crise e fez previsões alternativas com base em seus próprios cálculos.


Embora o professor Levitt reconheça que os bloqueios podem ser eficazes, ele os descreve como "medievais" e acha que os epidemiologistas exageram suas alegações, de modo que as pessoas têm mais probabilidade de ouvi-las.


Seus comentários foram feitos quando outros cientistas que trabalhavam no mesmo campo também relataram que não podiam verificar o trabalho do professor Ferguson.


A pesquisa de cientistas concorrentes - cujos modelos produziram resultados muito diferentes - foi amplamente ignorada pelos consultores do governo.


David Richards, co-fundador da empresa britânica de tecnologia de dados WANdisco, disse que o modelo de Ferguson era uma "bagunça de buggy que se parece mais com uma tigela de massa de cabelo de anjo do que com uma peça de programação refinada".


Entre 12 e 19 de maio, em uma média de sete dias consecutivos, a Grã-Bretanha registrou 5,75 mortes por milhão de habitantes. Na Suécia, o número foi de 6,25 mortes por milhão, superior aos Estados Unidos (4,17), França (3,49), Itália (3,0), Espanha (2,95) e Alemanha (0,81).


Richards disse: "Em nossa realidade comercial, demitiríamos alguém por desenvolver código como este e qualquer empresa que dependesse dele para produzir software para venda provavelmente faliria".


Pesquisadores da Universidade de Edimburgo também encontraram bugs ao executar o modelo, obtendo resultados diferentes quando usavam máquinas diferentes, ou mesmo as mesmas máquinas em alguns casos.


A equipe relatou um "bug" no sistema que foi corrigido - mas os especialistas no campo continuam atordoados com a inadequação.


Quatro modeladores experientes observaram anteriormente que o código está "profundamente cheio de bugs", tem "enormes blocos de código - práticas ruins" e é "possivelmente o pior código de produção que eu já vi".


Após a previsão sombria do modelo, o professor Michael Thursfield da Universidade de Edimburgo criticou o registro do professor Ferguson como "irregular".


Link da matéria original em Inglês: https://www.dailymail.co.uk/news/article-8351649/Lockdown-waste-time-kill-saved-claims-Nobel-laureate.html

0 visualização