Sobre O Caso STF X Lula (VERGONHA)

Tem muita gente dando explicações complicadas para o que aconteceu no dia de ontem.


Para mim as coisas são bem mais simples.


Já estávamos sufocados por essa pandemia de vírus, pânico, ideologia e oportunismo, quando aquela sentença sem sentido – e sem justiça – caiu sobre nossas cabeças.


Em seguida, o único partido supostamente “liberal” do país declarou que se juntava aos que pedem o impeachment do presidente.


Essa turma do impeachment – uma mistura de liberais de programa, radicais de aluguel, petistas reciclados e políticos de negócios – tenta nos convencer que a solução para o país é a linguagem “neutra de gênero”, e que não há problema algum em prender alguém por sua opinião, se a opinião for ruim. São os totalitários “do bem”.


É uma turma que “não é de esquerda e nem de direita”, mas é de esquerda.


Eles acreditam que se substituírem o presidente por outro – por um animador de auditório, quem sabe? – a pandemia acaba no dia seguinte.


Eles estão parcialmente corretos: se mudassem o presidente, a pandemia sairia do noticiário no dia seguinte.


Foi exatamente isso que aconteceu nos EUA.


Por isso é importante ligar os pontos dessa história.


Vou ajudar.


Primeiro, é fundamental entender a conexão entre a sentença e agenda do impeachment. Um país sem segurança jurídica é um país onde vale tudo.


Depois, é preciso perceber a contradição entre a teoria e a prática do “fique em casa”: as mesmas regras que aprisionam o cidadão comum – tirando seu transporte, fechando praias e impondo “lockdowns” – determinaram a soltura de dezenas de milhares de criminosos presos por todo o Brasil.


O toque final foi a suspensão, por ordem judicial, das operações policiais nas favelas do Rio. Essas “comunidades” estão entregues, há quase um ano, ao controle do estado paralelo.


Quando tiver um tempinho, faça o seguinte: verifique de onde partiu essa ordem.


Você vai se surpreender.


Ou não.


ROBERTO MOTTA

Engenheiro, executivo e autor de 2 livros. Suplente de deputado federal e vereador. Ex-consultor do Banco Mundial e ex-Secretário de Estado. Criador e ex-membro do Novo.



36 visualizações0 comentário